Transformação Digital

Glossário, tutoriais e ferramentas: UX Design

Glossário sobre UX design

O conceito de design de experiência do utilizador (ou UX Design) refere-se a uma abordagem que privilegia a adaptação de produtos, interfaces e serviços às pessoas que os utilizam. Para dissipar quaisquer equívocos e más interpretações, este glossário explica os princípios e processos do UX Design.

Charrette: não, não se trata de estar no limite do prazo aceitável para a entrega de um projeto. As charrettes são reuniões curtas e colaborativas em que cada participante apresenta as suas soluções.

Rough: a meio caminho entre o esboço e o desenho, o rough é um pré-modelo de uma ideia que ainda está para vir. O rough ajuda a explicar, testar e trocar ideias antes do projeto final.

Método dos 5 porquês: é muito provável que já se tenha questionado “porquê?” 5 vezes seguidas. Neste caso, trata-se de um método frequentemente utilizado no universo da experiência do utilizador. A pergunta é colocada cinco vezes ao interlocutor, para que este identifique a problemática essencial e proponha soluções eficazes.

Contexto: uma narrativa sobre um dia na vida de um dos seus utilizadores, permitindo-lhe compreender de que forma o seu projeto se integra no quotidiano dessas pessoas.

Storyboard: uma ferramenta inspirada na indústria cinematográfica, onde uma sequência visual capta cada interação do utilizador com a interface. Em função do público, pode ser um esboço muito representativo das suas próprias ideias.

Ergonomia: a ergonomia diz respeito a todas as capacidades mentais e físicas do homem na sua interação com objetos, métodos de trabalho, tarefas ou ambiente laboral. Em contexto digital, refere-se à facilidade com que o utilizador opera um dispositivo. O objetivo da ergonomia é tornar uma ferramenta “utilizável”.

Percurso do utilizador: tratam-se de representações teóricas, mas igualmente realistas e precisas, dos percursos realizados por diferentes utilizadores. No contexto do design UX, a função do percurso do utilizador é listar os diferentes tipos de trajeto para cada destino, de acordo com as respetivas necessidades.

Iteração: fase que consiste em repetir o processo até ser alcançado o resultado desejado. Permite melhorar a qualidade do design e a funcionalidade da interface.

Teste de Utilizador: o momento fatídico em que um utilizador representativo do seu público-alvo aborda a sua página web ou o protótipo da sua aplicação para executar as tarefas que lhe são pedidas.

Versão beta: designa o lançamento temporário de um produto, de forma a detetar eventuais erros antes do lançamento final.

Wireframe: geralmente bastante sumário, trata-se de um modelo filiforme que permite determinar os principais blocos de conteúdo e a respetiva hierarquia.

Estratégia de conteúdo: trata-se da parte dedicada à produção e gestão de conteúdos. O principal objetivo da estratégia do conteúdo é utilizar palavras e dados para criar conteúdo que auxilie os utilizadores nas suas experiências interativas.

Shadowing: método de imersão que visa compreender a relação entre objetos e pessoas, tendo em conta o contexto em que estes se situam. Transportando os fundamentos da etnografia para o design, este método permite identificar problemas e soluções.

Interface de utilizador: a interface de utilizador diz respeito à aparência e atratividade da interface. Ao contrário do UX, centrado na conceção e arquitetura do projeto, a interface de utilizador centra-se no aspeto gráfico e responde à pesquisa preliminar do designer UX.

Mood board: uma colagem, física ou digital, que se destina a transmitir o estilo visual que pretendemos aplicar. A rede social mais popular de mood boards é o Pinterest.

Infografia: suporte bastante comum na internet e na comunicação social. Tabelas e gráficos que permitem fornecer dados quantitativos de forma visual e gráfica.

Motion design: também conhecido como design de animação. Técnica que permite imprimir movimento a grafismos normalmente estáticos (logótipo, tipografia, fotografia, gráfico, pictograma…), sincronizando-os com som e, por vezes, acompanhados de uma voz off.

Responsive design: um site responsivo é uma página que se adapta a diferentes dispositivos: computadores, tablets, smartphones… Podemos falar de responsive design eficaz, quando o percurso do utilizador é tão fluído no seu computador como, por exemplo, no seu smartphone.