Porto RH Meeting 2018

“Cada um de nós traz em si um potencial incrível que (…) transforma o mundo”

“Cada um de nós traz em si um potencial incrível que (…) transforma o mundo”

Rita Sacramento Monteiro, Head of Corporate Volunteering da EDP, tem nas suas mãos a responsabilidade de envolver os colaboradores em causas sociais apoiadas pela organização. Acredita que todos temos o potencial de mudar o mundo e defende que empresas de referência “não podem ignorar a sua responsabilidade e o seu impacto”.

Qual é o seu papel enquanto Head of Corporate Volunteering da EDP?

A minha missão, a cada dia, é trabalhar para que o Voluntariado na EDP continue a assumir um papel estratégico e a ser parte ativa do investimento social da empresa e do desenvolvimento sustentável das comunidades onde estamos presentes. Enquanto responsável do Programa preocupo-me em envolver as nossas equipas que gerem voluntariado em Portugal e noutros países onde temos presença, em conhecer e dar a conhecer os seus projetos, e em promover um trabalho conjunto que permita gerar impacto social e transformação das nossas pessoas. Tenho a alegria de poder trabalhar naquilo em que acredito: que cada um de nós traz em si um potencial incrível que, quando partilhado com os outros, transforma o mundo em que vivemos. E por isso, nos projetos de voluntariado que lidero e acompanho, procuro entusiasmar as pessoas, desafiá-las a fazerem a experiência de serem voluntárias e a descobrirem em si o tanto que têm para partilhar.

Como são escolhidos os projetos apoiados?

Apoiamos projetos nos quais acreditamos poder dar o nosso contributo, através das competências das nossas pessoas e do nosso negócio, e que estão alinhados com a Política de Investimento Social do Grupo EDP. Definimos como áreas de intervenção do nosso Programa de Voluntariado a promoção da inclusão social, da inclusão energética e acesso à energia, da eficiência energética, das energias renováveis e descarbonização, bem como a construção de cidades e comunidades sustentáveis e a proteção da biodiversidade.

Mas mais do que apoiar, desenvolvemos muitos projetos em parceria com diferentes organizações sociais, comunidades locais e escolas. Sabemos que quem está no terreno conhece a realidade de uma maneira profunda e que, só em conjunto e de forma colaborativa, podemos desenhar respostas consistentes a necessidades reais.

De que forma é que os colaboradores são envolvidos nos projetos sociais que a EDP apoia?

Todos os colaboradores da EDP podem ser voluntários! Para incentivar à cidadania ativa, e como medida de conciliação, criámos há vários anos uma medida de 4 horas por mês em horário laboral para a pessoa poder fazer voluntariado. Hoje, e para além de qualquer um de nós poder ativar essas horas numa causa com a qual se identifique, temos um Programa que propõe projetos e diferentes iniciativas ao longo de todo o ano.

“Cada um de nós traz em si um potencial incrível que, quando partilhado com os outros, transforma o mundo em que vivemos”.

Desde a sua criação em 2011, o Programa de Voluntariado da EDP teve mais de 30.000 participações, num total de mais de 225.000 horas de voluntariado, e estabeleceu parcerias com mais de 1.800 organizações. Já tocámos a vida de mais de 1 milhão de pessoas!

Ao longo dos anos, o Programa conquistou o seu espaço na EDP, e hoje, para além de envolver colaboradores nos vários países onde estamos, envolve também reformados da empresa, famílias, amigos e parceiros em ações de voluntariado. Atualmente, 20% dos nossos colaboradores são voluntários através da empresa. Temos pessoas cuja primeira vez que fizeram voluntariado na vida foi através da EDP!

A forma mais contagiante de envolver novos voluntários é contar as histórias. É dar voz às realidades sociais que vamos conhecendo, e aos voluntários que se sentem também transformados por essas realidades. É conhecer, na primeira pessoa, as experiências de quem arriscou ser voluntário. E é também reconhecer que os nossos voluntários têm interesses e competências diferentes. Por isso, procuramos construir e propor projetos que envolvam e motivem as nossas pessoas, e damos até a possibilidade de os colaboradores poderem gerir e dinamizar projetos de voluntariado da empresa.

De que forma é que este tipo de ações pode ajudar a reforçar o engagement dos colaboradores com a organização?

Cada vez temos mais evidências de que criar oportunidades para que as pessoas façam parte da nossa ativação social motiva, desenvolve e reforça a ligação dos colaboradores com a empresa. No nosso estudo de clima mais recente, 84% das nossas pessoas considerou que o nosso compromisso com a responsabilidade social os ajuda a serem mais comprometidos com os seus valores e a serem mais produtivos no seu trabalho, e 91% considerou que a atividade desenvolvida pela EDP contribui para um propósito maior.

Estes dados reforçam uma mensagem que nos vai chegando via testemunhos de voluntários: quem faz a experiência de ser voluntário com a t-shirt da empresa sente-se orgulhoso da EDP, sente-se mais identificado, e sente-se mais motivado para os desafios do dia a dia.

Numa entrevista recentemente publicada, Roberto Pires Ferreira, especialista brasileiro em Sustentabilidade e Responsabilidade Social Corporativa, dizia que as empresas que não ‘pensarem’ a responsabilidade social como parte integrante da sua estratégia de negócio já não existirão em 2030. Concorda com esta ideia?

Concordo e considero que, se por acaso existirem, não serão empresas de referência. Num contexto em que temos cada vez mais acesso a informação e à possibilidade de intervenção, e perante os desafios do mundo espelhados na agenda até 2030, as empresas não podem ignorar a sua responsabilidade e o seu impacto. E não podem fazê-lo por uma questão de sustentabilidade do negócio, pela exigência crescente dos consumidores, mas também porque as pessoas querem cada vez mais fazer parte de empresas que exercem a sua responsabilidade proactivamente.

“As empresas não podem ignorar a sua responsabilidade e o seu impacto”.

As empresas com visão de futuro têm que reconhecer que a lógica mais transacional de serem socialmente responsáveis, como por exemplo através de donativos, deu origem a novas formas de colaborar nas respostas às necessidades sociais. E porquê? Porque há um valor naquilo que a empresa é e naquilo que as suas pessoas são, e esse valor posto ao serviço de um trabalho em parceria com organizações sociais, gera transformação, e por isso, mais impacto.

De que forma é que as iniciativas de responsabilidade social podem ser uma ferramenta de atração e retenção de talento?

Hoje sabemos que as gerações mais jovens cada vez valorizam mais o propósito do seu trabalho e querem perceber se de alguma forma este tem um sentido mais profundo e impactante. Aliás, escolhem onde querem trabalhar com base naquilo que percebem que é o ativismo social de uma empresa.

Nesse sentido, a proposta de valor da EDP comunica a dimensão da ativação da nossa força humana como parte da nossa estratégia de investimento social e a possibilidade que as pessoas terão de ter impacto através do voluntariado. Para além disso, temos também introduzido o tema do voluntariado nos nossos programas de desenvolvimento, desafiando as pessoas a pensarem, conhecerem e envolverem-se com causas sociais.