Mudança

É preciso mais do que flexibilidade para motivar os Millennials

Um estudo de 2015 da Gallup descobriu que os Millennials são a geração menos envolvida no seu local de trabalho, com apenas 28,9% a referir que se sentem envolvidos na empresa em que trabalham. Isto combinado com a elevada rotatividade hoje existente no mercado de trabalho e com as cada vez maiores oportunidades de empreendedorismo e de trabalho em regime de freelance, faz com que seja cada vez mais difícil para as organizações reterem e atraírem os seus colaboradores mais ‘valiosos’. Não se deixe enganar, terá mesmo que duplicar os seus esforços para ir ao encontro da geração do milénio.

E se uma grande maioria dos estudos publicados ao longo dos últimos anos indicava que o que os Millennials queriam era um pouco de flexibilidade no local de trabalho, são cada vez mais os que agora indicam que é preciso um pouco [muito] mais…

De facto, a possibilidade de trabalhar a partir de casa e de ter horários ‘à medida’ do trabalhador é já uma realidade em muitas empresas, mas apesar de estas serem estratégias críticas para atrair os ‘Millennials’, é preciso ir mais além!

“Falamos de uma geração com profundas preocupações sociais e que quer sentir que o trabalho que desempenha tem impacto.”

A Harvard Business Review identificou algumas estratégias que as empresas devem adotar no seu estilo de gestão e de comunicação e que, segundo a publicação, permitirão não só obter o tão desejado ‘engagement’, mas também maior produtividade em toda a organização.

Visão da companhia deve ser o ponto de partida

Ter uma visão convincente e atrativa acerca da missão da organização é meio caminho andado para atrair um Millennial. Falamos de uma geração com profundas preocupações sociais e que quer sentir que o trabalho que desempenha tem impacto. De acordo com muitos estudos, mais do que nas gerações anteriores, a geração do milénio toma a maioria das decisões da sua carreira com base nesse fator.

O white paper ‘Unlocking Millennial Talent 2015’, do Center for Generational Kinetics and Barnum Financial Group, citado pela Harvard Business Review, indica que para 60% dos Millennials o sentido de propósito foi a razão que os levou a optar por uma empresa em detrimento de outra.

Por outro lado, os líderes também poderão beneficiar da criação de oportunidades para que os seus colaboradores se envolvam em iniciativas com significado. É por isso importante formar os gestores e supervisores para comunicarem abertamente, de forma eficaz e frequente, até porque são estas pessoas que dentro das organizações têm mais potencial para exercer influência sobre o desejo de um colaborador em permanecer na empresa.

“Alguns estudos mostram que a principal razão para um Millennial abandonar uma empresa é a falta de identificação com a visão dos seus superiores hierárquicos e com a forma como estes comunicam.”

Mais, alguns estudos mostram que a principal razão para um Millennial abandonar uma empresa é a falta de identificação com a visão dos seus superiores hierárquicos e com a forma como estes comunicam. De acordo com a Harvard Business Review, 42% dos membros desta geração esperam receber feedback dos seus chefes todas as semanas, um valor duas vezes superior às expetativas de qualquer outra geração. Por isso, abrace a tecnologia e faça da colaboração um dos seus ‘mantras’ de gestão.

Ambiente onde se promova a iniciativa é cada vez mais importante

A publicação explica também que um ambiente onde se promova o empreendedorismo interno encoraja os colaboradores a desenvolverem novas ideias. As empresas que têm uma cultura tolerante ao risco e que promovem a formação e a experimentação beneficiarão certamente de mais inovação.

Acabe com o conceito de ascensão profissional

É também importante que coloque um ponto final no conceito de ascensão profissional. “Os Millennials esperam trabalhar em comunidades com interesses mútuos e paixões – não em hierarquias estruturadas”, defendeu recentemente Vineet Nayar, antigo CEO da HCL Technologies, num estudo da PwC.

As organizações devem promover tarefas que criem oportunidades de aprendizagem contínuas para os seus colaboradores, permitindo-lhes que resolvam questões e problemas importantes para a empresa.

Lembre-se: as empresas mais bem-sucedidas não estão à espera de um ‘momento de clímax’ para reagir, já estão a adaptar as suas estratégias de gestão para atrair os melhores Millennials do mercado.