Desenvolvimento

À conversa com…Catarina Horta, Diretora de Recursos Humanos da ANA Aeroportos

À conversa com...Catarina Horta, Diretora de Recursos Humanos da ANA Aeroportos

Quais os benefícios da aprendizagem informal?

Entrei recentemente para a ANA, pelo o exemplo mais relevante é a minha experiência pessoal de integração. Recebi muita informação, documentação e dossiers, mas a aprendizagem e verdadeiro induction foi feito pela vivência. Na verdade, prefiro conhecer as pessoas e o terreno antes de começar a estudar os dossiers, as políticas e os procedimentos da casa.

Como foi o meu primeiro mês na ANA? Fui recebida pelo meu tutor, um director de outra área que me recebeu com espírito ANA, e que me tem acompanhado em vários momentos. Depois, comecei por ouvir as pessoas: da Administração, de outras Direções, e da minha Direção. Tive oportunidade de visitar os aeroportos – para mim era importante conhecer a área operacional, os socorros e a manutenção. Olhar para um aeroporto como passageira é completamente diferente de olhar com os óculos do negócio.

Quando, no final destas primeiras semanas, comecei a estudar sozinha já tinha interiorizado muito mais informação do que se tivesse feito o processo inverso. Acredito profundamente nesta forma de aprendizagem mais experiencial e sei que se dá bem comigo.

Considero que o principal beneficio da aprendizagem informal é a maior conexão dos conhecimentos que adquirimos, porque a informação emerge de várias fontes e de várias formas e é interpretada como se se tratasse de uma narrativa.

De que forma promovem, na ANA Aeroportos, esta forma de aprendizagem?

De imediato dou 2 exemplos de conhecimento que, de forma direta ou indireta, assentam na experiência: O programa de trainees, através do qual procuramos captar talento jovem para reforçar o nosso objetivo de sermos uma empresa best-in-class, assenta no fazer. Durante 12 meses os trainees executam tarefas reais em ambiente real. Noutra perspectiva, relevo a partilha de informação em rede: a VINCI Airports inclui 35 aeroportos em 10 países e 3 continentes. Para beneficiar desta rede os colaboradores são incentivados a criar ou a aderir a Grupos de Discussão sobre as suas áreas de desempenho profissional.

Que outras formas de aprendizagem podem ter também impacto na organização?

No âmbito da estrutura da ANA/VINCI Airports, para além da exposição a uma rede com 12.000 colaboradores, é incentivada a mobilidade interna que é fator de motivação e facilitador da difusão do saber-fazer no interior da rede. É ainda facultado o acesso à VINCI Airports Academy, que visa promover, presencialmente, on line ou de forma mista, uma especialização, a melhoria das competências dos colaboradores, bem como a difusão da cultura VINCI.

O tema deste ano da Expo RH foi a experiência. A experiência é mesmo o caminho para equipas mais envolvidas com as organizações?

Sem dúvida! A vivência real leva-nos a um maior envolvimento com a organização.